Destaques‎ > ‎

Vintage - preview

Publicado a 30/04/2011, 09:40 por Nuno Sentieiro


Depois de Vinhos em 2010 por Vital Lacerda, está decidido: 2011 vai ser ano Vintage. Não falo da declaração clássica de "Ano Vintage" para os anos excecionais de vinho do porto, não. Falo antes do novíssimo título de Gil d'Orey, o autor português que nos trouxe Caravelas em 2010 e que nos quer agraciar com bom vinho em 2011.
Esta preview (nome técnico que está mais ou menos no caminho da ante-estreia do cinema mas para um jogo ainda não publicado) será uma tentativa não demasiado exaustiva, nem detalhada, de provarmos todos, de copo em riste, o jogo que sairá no tão aguardado Outono de Essen, Alemanha, no meio de Outubro!

Como o próprio nome indica estamos perante um jogo que nos traz os fabulosos encantos do néctar da primeira região vinícola demarcada do mundo e, per se, um pretexto mais que exigível para criar um jogo. O Douro brinda-nos com as mais belas paisagens do mundo, um dos mais especiais vinhos do mundo e agora, um dos mais exigentes públicos do mundo: as famílias! Vintage é um jogo criado para as famílias como, aliás, vem sendo hábito em outros títulos do mesmo autor. Não escondendo o objetivo de querer um "Spiel des Jahres" (Jogo do Ano na Alemanha) d'Orey aposta uma vez mais nesta falange de mercado - o mais apetecível, afinal - com um toque de Portugal e pegando num produto mais que internacional para o conseguir. 

À semelhança de todos os outros trabalhos, Vintage tem, como motivação, o próprio tema. Isso nota-se em cada trago do jogo (retire-se o chapéu ao Sr. d'Orey por isso). O trabalho de pesquisa, de alinhamento com o tema, de garantir uma sensação de jogo para lá do jogo, está presente neste, como está presente noutros jogos do autor. Os jogadores sentem o toque do autor (para quem dele conhece outros títulos). Reconhecemos alguns elementos comuns que farão já parte de um estilo: um mapa, movimentação simples, uso de cartas de acções especiais. Mas é o conjunto que faz o jogo resultar, tal qual num bom Vintage. 

Subindo rio acima os jogadores têm e plantam as suas próprias quintas, escolhem as suas castas, produzem este ou aquele tipo de vinho. O título dá corpo ao mais emblemático tipo de vinho do porto mas o jogo abre-nos a opção de poder fazer Colheitas, Reservas, Rubys, Tawnies. Tudo num tabuleiro de uma hora! Uma hora agradável e ainda com uma versão mais simplificada e mais familiar que nem a uma hora chega.

Vintage prepara-se para ser, realmente, uma boa colheita para 2011. Ainda o ano vai a meio e as expetativas deixam-nos já de água vintage na boca. Portugal estará uma vez mais representado na maior feira de jogos do mundo e isso só nos pode orgulhar, especialmente num período como este em que se pede tanto dando tão miseravelmente pouco. Gil d'Orey e a Mesa Board Games estão lá. A cumprir o seu papel e a sublinhar a nossa história, o nosso nome, a nossa competência. Agradecemos por isso e a isso erguemos os copos! Brindemos!

Paulo Soledade (soledade@spielportugal.org)

[Comentário(s)]


Comments