Notícias‎ > ‎

LeiriaCon de A a Z

Publicado a 09/02/2012, 17:06 por Nuno Bizarro Sentieiro   [ atualizado a 09/02/2012, 17:22 ]
Ambiente LeiriaCon!

Há um ambiente LeiriaCon? Há. Ah, se há! À noite, de madrugada, a meio da manhã, de tarde… Nas salas, no bar, nas refeições, no exterior solarengo ou fresquinho. Há sempre aquela sensação de se estar num cantinho do mundo, com os jogos e os amigos que viajam connosco até à Quinta e até cada mesa.

Bora lá 2013!

Não há que duvidar. De 25 a 27 de Janeiro de 2013 vamos ter LeiriaCon. Com alguma novidade, com frio, talvez com Sol, convosco!


C
aras conhecidas! 
De ano para ano fixamos os rostos um pouco mais. Há gente que nos volta à memória, nomes e nics que encaixam uma vez mais. A LeiriaCon vale por muita coisa, mas é sobretudo pelas pessoas que nela participam que vale a pena!


D
’oujardin, Georges e Orbain!

Os três criadores e editores (Pearl Games) de “Troyes” e “Tournay”, Sebástien D’oujardin, Xavier Georges e Alain Orbain,, honraram-nos com a sua presença e tiveram oportunidade de jogar os seus jogos, bem como alguns protótipos. Xavier Georges trouxe mesmo às mesas o seu o seu novo projecto em fase de testes, “Chicago”.

E
ssen!

O “passaporte” foi uma das novidades deste ano. Sorteou uma viagem à mítica Essen da feira mundial de Outubro, mas foi sobretudo especial pelo jogo que proporcionou a quem quis aderir. Uma brincadeira que comprovou algo que é uma evidência nestes encontros: a malta é fixe!

Falhas!

Há sempre falhas que importa anotar e procurar corrigir. A iluminação ou a falta dela, é a falha maior apontada ao espaço onde decorre a convenção, nomeadamente à sala principal. Outras pequenas questões merecerão a atenção da organização. É impossível agradar totalmente a todos, mas é sempre possível fazer melhor.

G
erdts!

Mac Gerdts já faz parte da família. Participante assíduo, desde 2008 que nos honra e prestigia com a sua presença e da sua simpática família. Este ano presenteou-nos com a sua mais recente criação, “Casus Belli”, numa edição deluxe. Jogou, testou, conviveu… Um senhor!


H
otel!

A Quinta do Pinheiro continua a ser um local maravilhoso para se estar nestes dias. E então se somos brindados com o Sol maravilhoso de inverno, como aconteceu este ano, o espaço redobra o charme. O atendimento, as refeições, o vinho, a cerveja… Ui, ui.

Internacionalização!

A LeiriaCon há muito que não se confina a este cantinho à beira-mar plantado. De ano para ano vem reafirmando a sua dimensão internacional. São os designers, os editores, os sponsors, a projecção nos media e no mundo “geek”. Este ano tivemos presenças de Itália, Espanha, Bélgica, Reino Unido e Alemanha. Para o ano, quem sabe?

J
ogos !

São os jogos que nos reúnem. Jogos mil, cubinhos e cartas, dados e meeples. Uma ludoteca de excelência, que muito trabalho deu a reunir: versões deluxe, wargames, familiares, para crianças, para cotas, grandes, pequenos, em caixas, em lata, em cartão, em madeira, em editado, em sonhado, em cima, em baixo, na prateleira, na mesa, na sala grande, na sala envidraçada, demorados, rápidos, antes, depois…

K
ocmoc!

A Mesa Boardgames voltou a estar em força connosco. E sempre com novidades. Kocmoc (para além de dar um jeitão para a letra K!) é a primeira iniciativa de editoras portuguesas na publicação de autores estrangeiros. Arrojada e virada para o futuro, a Mesa Bordgames dá mais um exemplo de que cá também é possível fazer mais.

Lois Lane!

Para quando a primeira designer portuguesa? Fica o repto de um mundo de super-homens que precisa de equilíbrio de cromossomas.

M
IL!

Um jogo feito desde o início na LeiriaCon e que revela o crescimento desta convenção, que vê uma espécie de filho pródigo sair à rua. Firmino Martinez está de parabéns! E a Galiza aqui tão perto!

Noite!

Até de madrugada, sexta, sábado... As noites são sempre especiais. Até o cansaço ganhar é ver a malta alugar uma mesa e deitar mãos àquele jogo mais esperado, mais demorado, mais duro… Sim, que a noite é para duros. Ou para os que duram!


O
rey!

O Gil é o nosso parceiro de sempre, passado e futuro. Um amigo que nos inspira com o seu trabalho. Ragami foi o outro protótipo apresentado e testado. Também aqui há um olhar mais além, além-mar…

P
rotótipos!

Vários projectos para novos jogos povoaram as mesas da LeiriaCon. Alguns ocuparam-nas mais demoradamente, outros de forma mais fugaz. Incentivados pelo desafio do passaporte, pela curiosidade, ou pelo desejo de colaborar, muitos participantes sentaram-se nessas mesas e testaram as ideias de criadores já afamados ou de simples aspirantes.

Quo Vadis?

Que caminho deve trilhar a LeiriaCon no futuro? Depois de 7 edições é tempo de refletir sobre o que se apresenta como cenário vindouro. Podemos continuar no mesmo rumo ou procurar novos horizontes… O que pensa cada um de vós? Que LeiriaCon imaginam no futuro?


R
esultados.

Mais de 300 participantes. 144 jogos diferentes jogados. 16 prototipos. 8 designers. 3 contratos assinados. Poucas horas de sono. Algum cansaço. Muita diversão. 


S
ivél!

Richard Sivél, o senhor “Friedrich”, voltou este ano a Leiria, depois do reconhecimento do ano passado com “Maria” - jogo do ano 2009. Indefectível wargamer, foi vê-lo debruçado sobre a mesa, movendo tropas, travando combates, desfrutando da LeiriaCon como qualquer participante…

T
royes!

Jogo do Ano 2010 e, por força dum dos requisitos do passaporte, por curiosidade, ou por puro desejo (houve quem o jogasse duas vezes de seguida!) “Troyes” foi o titulo mais jogado nesta convenção. Os três criadores tiveram oportunidade de receber o prémio do jogo do ano, uma criação Spiel Portugal, produzida em vidro, como sempre e entregue na tarde de domingo perante o aplauso merecido dos presentes.

Uma ideia feliz!

Reunir um conjunto de pessoas para jogar mas, sobretudo, para “estar” foi a melhor ideia de sempre. Resulta porque torna a LeiriaCon um espaço de conforto. Pelo espaço fisico, é certo, mas sobretudo pela união dos “tugas”, esta gente boa que se junta e se diverte feliz num final de mais uma semana dura, no inicio de mais um ano que promete dificuldades mas também muitos sorrisos.

V
ital Lacerda!

Presença habitual na convenção, o criador do aclamado “Vinhos” trouxe os seus projectos “CO2” e “Kanban” a afinar. Mas ainda teve tempo para jogar outras coisas e para uma e outra vez explicar como se joga com os “vinhos” portugueses.

W
allace!

Martin Wallace é incontornável! Um prazer poder privar com personalidade tão cativante! Um dos maiores criadores de jogos de tabuleiro, uma lenda viva, ao alcance de todos! Trouxe quatro projectos novos em que está a trabalhar, testou-os e testou as criações de outros também. Partilhou, confraternizou, fruiu.

X
adrez, também.

Já passava das 6 da matina de domingo quando dois empedernidos jogadores, finalmente a caminho da cama ou do pequeno-almoço, resolveram, num assomo de energia restante, dar meia-volta e voltar à mesa para uma partidinha de xadrez. Terminou assim o mais longo dia/ noite/madrugada da convenção!

Y
es we can!

É possível, mesmo no contexto atual, com a ajuda de todos, fazermos melhor. Para se perceber a vitória precisamos perder. Fazêmo-lo em todas as LeiriaCon. Perdemos pequenas coisas e percebemos que ganhamos muitas outras. Este ano ganhámos o terceiro dia!


Z
zzzzz...

Ui, que cansaço! Para o ano há mais.




Obrigado a todos.

José Carlos Rôla

[ Comentário(s) ]