Reviews‎ > ‎

Agricola vs Caverna

Publicado a 11/01/2014, 09:13 por Nuno Bizarro Sentieiro   [ atualizado a 12/01/2014, 14:21 ]
As perguntas do momento - Caverna substitui o Agricola ? Melhora ? É um apenas uma sequela ? Mais do Mesmo ? O Spiel Portugal procurou as respostas...



A grande diferença entre estes jogos consiste nos “extras”. Enquanto o Agricola usa cartas o Caverna usa divisões da nossa caverna. Existem mais diferenças como as expedições, mais animais as minas, etc… mas essas não me parecem muito relevantes.
As cartas do Agricola são o coração do jogo e isso é mudado no Caverna. O que eu menos gosto no Agricola é a sorte das cartas que te calham definirem o teu jogo e algumas vezes o vencedor. A vantagem é que as cartas fazem do Agricola um jogo SEMPRE diferente. No Caverna podes especializar-te e ir buscar a divisão que mais se adequa à tua estratégia e podes fazer isso em todos os jogos. Não há surpresas e só terás que te preocupar com os outros jogadores. O Caverna é mais fácil de jogar. Não há a pressão do alimento como acontecia no Agricola. E isso para mim eleva um pouco o Agricola.

Para já prefiro o Caverna, mas agora que escrevo isto acho que este sentimento pode mudar a qualquer altura.




Ainda hoje me pasmo ao tentar perceber o tremendo sucesso que este jogo obteve, ainda mais
tratando-se de um jogo sobre agricultura e criação de gado. Nunca imaginaria que plantar cenouras e criar ovelhas fosse um tema tão apelativo no universo gamer. A simplicidade do jogo, das regras e de toda a temática aliada a uma infindável quantidade de cartas com poderes variados fizeram de

AGRICOLA um sucesso comercial, bem como, um sucesso crítico. O único senão deste sucesso
tem a ver com a imensa dependência da língua que o jogo tem o que o pode afastar de jogadores
com menor conhecimento de línguas estrangeiras.

Esta falha foi claramente ultrapassada neste último jogo, CAVERNA, onde as cartas foram substituídas por tiles e o texto substituído por iconografia.

Para mim CAVERNA é melhor que AGRICOLA é tudo aquilo que AGRICOLA queria ter sido e não foi. Mantendo a tradição do tema da agricultura e da criação de gado, Rosenberg adicionou-lhe a aventura e a mineração, trazendo a esta mistura mais interação.

Ambos são belíssimos jogos. Quem já tem AGRICOLA provavelmente não sentirá necessidade de
adquirir também o CAVERNA, mas quem não tem nenhum eu acredito que opte pelo CAVERNA,
pelo menos é essa a minha opção... CAVERNA!




- O que é isto? Onde estão as cartas?
- Nas mãos dos anões!
- E o colmo, aquele capachinho das casas primitivas?
- No chão da caverna, para os burros se deitarem.
- Gosto dos cães.
- Também eu, não ladram.
- E que mais?
- As expedições! São espetaculares!
- Conta, conta. Espetaculares como?
- Assim tipo… folha de excel!
- Ai, como vou alimentar esta tropa?
- Não te preocupes, come-se tudo cru.
- E a mesa, chega?
- Talvez, se usarmos a fruteira para meter material…
- E as folhinhas de pontuação?
- Vamos somando pontitos em forma de bolacha, ou moeda, que até nos podem cair no
regaço a meio do jogo…
- Ouvi dizer que o jogo tem um pneu furado…
- Tinha, já foi remendado. Mas ainda se ouve um arzito a sair...
- Lembras-te do diácono Remédios? 
- Pois é, “não havia necessidade”!



Caverna é, aparentemente, mais facilitador, com iguais edifícios e oportunidades disponíveis a todos, sendo o timing dos jogadores a única condicionante diferenciadora. É, portanto, um jogo mais justo. Traz um certo formato de expansão (cães e burros) adicionando alguma complexidade extra. Os edifícios dispostos para todos aumentam a interação em relação a Agricola. Adiciona ainda uma componente de ‘aventura’ (expedição) que, mesmo podendo não ser uma estratégia, acrescenta uma ação joker de 'ir buscar coisas’, facilitando a jogabilidade.

Agricola tem as cartas diferenciadoras e, não poucas vezes, injustas. Sendo um problema pela desigualdade, torna-se uma vantagem ao criar narrativas diferentes para cada jogador. Os tempos de jogo são diferenciados pelo estágio que cada jogador ocupa em determinado momento. Alguns jogadores têm casa de madeira, outros de tijolo e outros ainda de pedra. Esta dimensão em tempos diferentes acrescenta estratégia pela busca dos recursos em diferentes alturas e na forma como as cartas são adicionadas por cada jogador. Esta forma única de cada jogador abordar o contexto geral é o seu grande trunfo.

No final, escolho AGRICOLA.



Nisto dos jogos é difícil que as reedições saiam melhor que os originais, (sim é uma reedição) neste caso o CAVERNA tem melhorado tudo o que não gostei no AGRICOLA, com especial
ênfase para o fim das cartas e também para a evolução dos quartos madeira/argila/pedra. É um jogo denso e longo, mas no entanto não se dá por ele passar.

Caverna.



Como no cinema, a sequela é sempre pior que o original. Com a excepção do Padrinho. Caverna não é o Padrinho. É antes aquela tia distante que toda a gente tem: Simpática, divertida, robusta. Toda a gente gosta dela, é de trato fácil, assim como uma versão melhorada da nossa mãe. Mas mãe há só uma. Com os defeitos-características das Mães. Agricola é a mãe do estilo Uwe. Caverna não é o Padrinho. É mesmo a tal tia gorducha que chega carregada de presentes, divertida na primeira meia hora, mas que ao prolongar a estadia se torna aborrecida, mobília velha em apartamento Ikea.

Agricola é um clássico. Caverna é um clássico a cores.
Mãe há só uma. A tia trouxe Ferrero Rocher, mas é chata como a putaça ... 


CONCLUSÃO :

No final os membros do Spiel Portugal dividem-se neste confronto de titãs, esperamos ter ajudado a decidir de uma vez por todas qual é o melhor: Agricola vs Caverna, o resultado final : 
- UM EMPATE...  escolha o leitor :)