Críticas‎ > ‎2006‎ > ‎

Carcassonne




Título: Carcassonne
Autor: Klaus-Jürgen Wrede
Ano: 2000
Editora: Hans im Glück

INTRODUÇÃO

Talvez este seja o jogo mais feminino que eu conheço. As senhoras que me perdoem! É um tile placement, de estratégia algo reduzida, já que depende muito da sorte que se tem ao retirar os tiles, e não origina guerras abertas. A interacção é razoável e, na maior parte das vezes, pacífica. O desenho é atractivo, simples, de leitura fácil e com cores sóbrias.

COMPONENTES

O jogo, sendo um tile placemente, resume-se a um conjunto de tiles de cartão bem forte, de boa qualidade, e de uns já muito famosos bonequinhos de madeira de várias cores chamados meeples. Os famosos meeples. Não sei se por hábito se por outra coisa qualquer, mais ou menos obscura, gosto de meeples. Acho que são uns bonequinhos amorosos e gosto de pensar neles assim. É mais seguro. Não vá um dia sonhar que estou a ser atacado por um meeple rezingão que tem uma boca deste tamanho... enfim.
O jogo conta também com um tabuleiro pequeno que serve para marcar os pontos vitória. E de material para jogar estamos conversados.

MECÂNICA

Tile placement puro, Carcassonne baseia-se na estratégia minimalista de retirar tile, colocar tile, colocar meeple. E é só. Parece simples e é simples. O jogo decorre sem que haja grandes decisões a tomar.
A maior dificuldade a ter passa por - apercebemo-nos disso com o aumentar da experiência de jogo - colocar os nossos meeples nos locais mais apropiados, numa espécie de previsão futura, por forma a que, no final do jogo, consigamos somar algumas vantagens em relação aos nossos adversários. O local e o timing de colocação dos meeples pode ser determinante, uma vez que, esgotando-se a fonte de homenzinhos pequeninos de madeira não há mais disponíveis até próxima contagem de pontos. E isso, às vezes, pode revelar-se frustrante.
O objectivo do jogo é construir/ocupar cidades, estradas, caminhos e claustros. A única acção decorrente de cada turno de cada jogador é retirar um tile da pilha de tiles e colocá-lo num sítio legal, ou seja, contíguo a qualquer outra zona idêntica. Uma estrada liga com uma estrada, uma cidade com uma cidade e campo liga com campo.
Ao colocarmos o tile que retirámos, nele podemos escolher colocar também um meeple. O meeple serve para, não mais que, dominar a zona do tile em que é colocado, impedindo que outro jogador a ocupe. Por exemplo, ao colocar um tile que tenha parte de uma cidade, coloco também um meeple meu nessa cidade. Quando completa, essa cidade dar-me-á dois pontos por cada tile nela usado. Se um jogador fechar/completar uma cidade de quatro tiles receberá 8 pontos vitória.
O mesmo princípio é aplicado quando um caminho é completado ou quando um claustro é circundado. Mas não devemos preocupar-nos somente em completar cidades e caminhos e claustros. Devemos também preocupar-nos em assegurar uma boa colocação de meeples dentro das planícies já que, no final do jogo, por cada cidade que um desses meeples consiga "alimentar", o jogador em causa recebe 3 pontos. Essa pontuação final, a que também se junta a pontuação de cidades e caminhos que possam ainda não estar completados, revela-se, na maior parte das vezes, decisiva para alcançar a vitória.

CONCLUSÃO

Carcassonne é um jogo simples que, devido ao elevado peso de sorte não é muito aconselhável a jogadores que não gostem desse desequilíbrio. Por outro lado, jogado com a variante de cada jogador poder ter em sua posse três tiles de cada vez, faz com que exista, na minha opinião, um aumento significativo da estratégia, equilibrando um pouco mais essa relação - estratégia/sorte.
Mais táctico que estratégico, é um jogo que dura menos de uma hora, muito simples de jogar e de aprender, a curva de aprendizagem não é muito pronunciada e, portanto, permite uma segunda e terceira abordagens, muito mais capazes. Há alguma interacção no decorrer do jogo, podendo até existir alguns melindres se alguém levar a "coisa" mais a sério. Vivamente recomendado para introduzir jogadores (as) nas lides dos eurogames. O preço deste jogo anda por volta dos 15 a 18€ e tem várias expansões disponíveis. Em Portugal é publicado pela Devir com regras em português.

Classificação: 7
Paulo Soledade

Comments