Críticas‎ > ‎2006‎ > ‎

Yspahan



Receber a ideia...

"Então e agora que somos grandes jogadores de eurogames é que vamos jogar um jogo com dados?" "Está tudo doido? Então e a aleatoriedade? Eu não sei se consigo lidar com isso..." "Epá, e se jogássemos xadrez em vez disso? É que eu acho que o pessoal vai ficar mal." "Xiiii, tanto dado.... porra."
os argumentos...

"(...) e não há uma única lista de jogos de Essen que não traga Yspahan. "É um dos jogos mais aguardados do ano". "Vocês sabem bem que a Ystari não sabe fazer jogos maus..." e o Óscar vai para... "isto demora, no máximo, 45 minutos, depois podemos jogar outra coisa"
a anuência...

"45 minutos? Ok. Parece-me bem. Podemos experimentar." "Por mim..." "'Bora lá..."

As trocas comerciais de Yspahan são menos negociadas que isto. Basicamente, cada jogador faz o seu trabalho, embarcando na caravana de camelos os seus produtos, enchendo os bairros à cata de pontos vitória. No fim de cada semana, sem que haja grande actividade difamatória ou concorrencial entre os comerciantes da cidade, contam-se os pontinhos amealhados. Aquilo que torna o jogo verdadeiramente estimulante é a escolha dos dados...

Tabela de Acções
Yspahan joga-se em três semanas e, no final dessas três semanas, o jogador que tiver mais pontos vitória, vence. Por turno (que equivale a dizer por dia), cada jogador lança os dados (9) e distribui-os numa tabela de acções possíveis de realizar. O grupo de dados com o valor mais baixo vem para a primeira fila, o grupo de dados mais alto vem para a última fila e, os outros grupos de dados, são ordenados de forma ascendente. Depois, o primeiro jogador, aquele que lançou os dados, escolhe um desses grupos de dados e aplica a acção daí resultante. Depois de escolhida e aplicada a acção, os dados escolhidos são retirados e o jogador seguinte escolhe um outro grupo de dados que restou e executa a respectiva acção. No sentido dos ponteiros do relógio, todos os jogadores escolhem um grupo de dados e executam as suas acções.

A vantagem de Yspahan é que, apesar de resultar muito do poder da sorte aos dados, cada grupo destes, está ligado a três acções possíveis. Ou seja, a primeira opção de cada uma das filas de dados pode ser receber ouro ou camelos ou colocar produtos nos diferentes bairros da cidade, sempre em número igual à quantidade de dados escolhidos da tabela de acções. A segunda e terceira opções a escolher são sempre, em todos os grupos de dados, movimentar o fiscal ou receber uma carta especial. Desta forma, a sorte dos dados deixa de ser tão determinante, uma vez que a maioria das acções continua disponível para os outros jogadores, ficando somente como vantagem principal o peso (quantidade de dados) dessas mesmas acções.

Cartas Especiais
Uma vez escolhida a acção da tabela, parte obrigatória do turno, cada jogador pode então, por vez, jogar o número de cartas especiais que entender e fazer construções de edifícios.
As cartas especiais revelam-se muito importantes no decorrer do jogo porque, para além de poderem ser trocadas por dados no início do turno, acrescentando mais uma opção à tabela de acções, podem servir para garantir muitas vantagens em relação aos adversários: ou diminuir custos na construção de edifícios, ou trocar dinheiro por camelos e vice-versa, ou trocar dinheiro ou camelos por pontos vitória ou colocar mais um produto num bairro enfim, uma imensa quantidade de vantagens pessoais. E aqui também reside uma vantagem, na minha opinião. O facto destas acções especiais serem, essencialmente, para tirar partido a quem as joga, nunca prejudicar os adversários. Neste sentido podemos dizer que Yspahan é um jogo muito amigável.

Edifícios
A construção de edifícios é também uma das condições que podem determinar a vitória do jogo. Os edifícios têm custos de construção, tanto em dinheiro quanto em camelos, e servem para dar vantagens, a quem os constroi, para todo o jogo. Para além de dar estas vantagens, idênticas às já descritas nas cartas de acções especiais, permitem também, amealhar um considerável número de pontos vitória.

A Caravana de Yspahan
A caravana de Yspahan revela-se como uma forma de pontuação que pode ser uma alternativa importante para a conquista de pontos vitória, desde que não se jogue sozinho para esse objectivo.
A caravana é constituída por três filas de quatro camelos e tem de ser preenchida por ordem. Em cada camelo da primeira fila há 2 pontos vitória, um ponto vitória em cada um da segunda fila e nenhum ponto vitória nos restantes quatro camelos da fila de cima. Obviamente, os primeiros produtos a serem enviados para a caravana, são aqueles que serão mais premiados. Associado a isto, no final de cada semana, o número de cubos que cada jogador tem na caravana, é multiplicado pelo número da fila em que está o seu cubo mais recente. Por exemplo, se um jogador tiver um cubo na fila de baixo e um na fila de cima, recebe 6 pontos vitória (2 cubos x 3 fila). Neste sentido, e como os cubos que vão para a caravana ficam lá até esta ser completamete preenchida, convém apostar nesta solução controlando bem o stock de cubos, pois estes podem vir a ser necessários noutras acções do jogo. Se, mais do que um jogador, mostrar interesse na caravana, esta pode revelar-se como uma boa aposta mas, se alguém estiver a solo, o custo benefício pode ser desfavorável.

O Fiscal e a Caravana
Os cubos vão para a caravana sempre que o fiscal se encontrar em frente a uma loja preenchida. Neste caso, se o jogador do cubo em causa pretender, porque retira mais benefíos para a sua estratégia, pode optar por, ao invés de retirar o cubo da loja, retirá-lo do seu stock pessoal, pagando para isso um camelo. E esta é a única parte não amigável de Yspahan. Reparando que um jogador, sem camelos, tem um bairro totalmente preenchido e que, no final da semana vai receber, por exemplo, oito pontos vitória, alguém adversário pode deslocar o fiscal para uma dessas lojas e obrigar a esvaziá-la enviando o cubo para a caravana, prejudicando com isto, o jogador em causa.

Jogar, sim ou não?
Yspahan é um jogo muito divertido, muito amigável (ninguém se chateia a jogá-lo), e com um factor tempo/diversão excelente. Jogado em cerca de 45 minutos é um óptimo jogo para final de noite, em que os neurónios já não respondem como antigamente, e em que a fase de maior pressão já está ultrapassada por outro colosso menos amigável que tenha poisado sobre a mesa.

A Ystari voltou a acertar, sobretudo pela forma original como propõe a tabela de acções a executar e a elegância dos mecanismos de pontuação. Tudo no jogo é muito bem arrumadinho, os componentes são de óptima qualidade e a simplicidade de processos tornam o jogo muito apreciado por todos.
A interacção não é muito óbvia, apesar das escolhas das acções iniciais serem determinantes para todos os jogadores e a movimentação do fiscal poder influenciar de forma drástica a estratégia de um adversário.

Jogar, sim.

Materyal: 2,5/3 Ynteracção: 1/3 Mecânyca: 3/3 Tema: 1,5/3 Estratégya: 2/3 Tempo/Dyversão: 3/3 Regras: 2/2
Classyfycação: 15/20

Paulo Soledade

Comments