Críticas‎ > ‎2009‎ > ‎

Onexeno

O fim de semana dos fins de semana está à porta. Aquele grande fim de semana de Outubro que encerra a Messe Essen 2009. As escolhas estão acertadas e os lançamentos mais importantes deste negócio dos jogos novos vai de vento em popa. Milhares de títulos surgem anualmente e, como uma gota num oceano, nós tentamos juntá-los todos para averiguações. O último deste ano que experimentámos foi o insuspeito Onexeno. Na verdade ele está referenciado em 2008 mas, nós sabemos que, realmente, só saiu em 2009.

Este estranhíssimo jogo de cartas puzzle é uma novidade de 2009 e surge com vontade para fazer história. A originalidade está no dominó de cartas com quadrados que têm de ser jogadas por forma a conquistar pontos. As regras para o jogo simples são muito básicas, como o jogo. 

Temos uma grade imaginária de 5 por 5 cartas e, se houver um jogador a colocar uma quinta carta na mesa que faça um 5 em linha, ortogonal ou diagonal, recolhe essas cartas dessa linha e guarda-as para somar no final do jogo. As cartas estão numeradas e esses números são os pontos que valem.

A mecânica é simples. As regras são simples. O jogo parece reter aquele timing perfeito que nunca vai existir. Porque há o jogador que vai evitar sempre jogar a 4ª carta de uma qualquer linha ortogonal ou diagonal para o outro não pontuar. Porque depois de se pontuar, como as cartas são retiradas (as dessa linha) há como que um recomeçar o jogo, um reset pontual que volta a colocar a tónica na jogada da 4ª carta - a tal que ninguém vai querer jogar.

Esta simplificação do jogo é propositada. Estas são as regras base do jogo base. Onexeno vem com regras para solitário, dois ou três pares e também com uma variante canasta. Tudo isto pode ser visto e revisto no site www.onexeno.org.

O filão dos jogos de cartas famosos está ainda para começar. Há já alguns, decerto, bons projectos, que tentam aparecer como a novidade das novidades. Permitam-me dizer que, se alguém surgir com a patente do jogo de 40 cartas de Ás a Rei, sem 8's, 9's e 10's, joga-se em equipas de 2 contra 2, há um trunfo e tem de se assistir, então, esse alguém que patenteou isso vai ganhar algum em Portugal. E vai ganhar porque o jogo é bom, original e simples. Juntam-se uns trocados e compra-se. Dá para 4 de cada vez.

Com Onexeno (lê-se One Zeno) a esperança de conseguir que isso aconteça esmaga-se logo no preço - cerca de 17 euros. A facilidade de o jogar esbarra com a perícia da malta da sueca que joga de caraças e que não passa sem a estratégia não modulada das cartas contadas. 

O puzzle de quadradinhos beijes é patetice de rico de cidade. Onexeno não tem de ser um mau jogo. Não é. Mas também não vai chegar ao tasco da esquina ou sequer à convenção mais próxima. Digo eu!

Comments