Críticas‎ > ‎2007‎ > ‎

Arkadia



DIE BAUMEISTER VON ARKADIA (2006 - Rudiger Dorn, Ravensburger)

Há jogos bonitos e há jogos feios. Depois há jogos que são uma autêntica maravilha de design. Este jogo de Rudiger Dorn é um desses casos. Elegantemente desenhado e produzido, este título entra directamente para o meu top dos jogos mais bonitos. Mas DIE BAUMEISTER VON ARKADIA não só uma carinha laroca com perna bem torneada. Também lê Kant e gosta de ver filmes do Ingmar Bergman.

Tema e Componentes
Para 2 a 4 jogadores, DBvA é essencialmente um jogo de construcção. Os jogadores são arquitectos a soldo que, às ordens das 4 famílias mais influentes da cidade, vão aumentando a urbe construíndo os mais variados edifícios e trabalhando também na construcção do castelo central. Aliás, à semelhança do que acontece com outros jogos, como CAYLUS ou KEYTHEDRAL, o castelo é o relógio do jogo e define a sua duração... mas adiante. Estes arquitectos têm à sua disposição um conjunto finito de trabalhadores, que terão de utilizar de forma sábia e astuta, por forma a lucrar o mais possível com o seu trabalho.

O jogo processa-se em turnos sucessivos e está dividido em 3 fases. Cada jogador receberá uma screen (em forma de tenda de circo) de uma determinada côr e quatro bandeiras pendentes para colocar nesta. Atrás desta screen serão colocados os tiles e trabalhadores que formos arranjando. Existem trabalhadores nas quatro cores dos jogadores e ainda trabalhadores de côr beje que são neutrais e podem ser utilizados por qualquer um. Existem tiles de edifícios e as respectivas cartas. Estas cartas funcionam como ordens de construcção e identificam o tipo de edifício a construir e a família responsável por essa ordem. Depois há os selos/insígnias das famílias, o dinheiro e as peças do castelo.

Antes do jogo começar, é colocado um pequeno tabuleiro no centro do tabuleiro principal de jogo. É neste pequeno tabuleiro (e só neste) que se vai proceder à construção do castelo. Os restantes edifícios vão sendo construídos em volta do castelo. Os jogadores recebem 3 trabalhadores e 4 cartas de construcção. As restantes são colocadas num deck virado para baixo, virando-se três cartas que formarão um display. A partir daqui está tudo pronto para se começar a jogar.

Mecânica(s) e Jogabilidade
Um jogador no seu turno pode fazer duas coisas:
Jogar uma carta/ordem de construção ou colocar trabalhadores (uma destas acções é obrigatória e só uma);
Gastar uma das 4 bandeiras pendentes que ainda possuir.
As escolhas são muito simples. Ou começamos a construção de um edifício ou colocamos trabalhadores. Como os edifícios têm as mais variadas formas, a sua colocação é de crucial importância. Estas estruturas só podem ser construídas se encostadas ortogonalmente com o tabuleiro do castelo, um outro edifício ou um trabalhador, independentemente da côr. Ao escolher jogar uma determinada carta de edifício e após a colocação deste no tabuleiro, o jogador coloca sobre ele um selo da côr indicada pela carta. Isto significa que aquela construção foi ordenada pela família "verde", por exemplo. Quando um edifício fica completamente rodeado (por trabalhadores, outros edifícios, o tabuleiro do castelo ou mesmo os limites do tabuleiro principal), diz-se que ficou construído e nesse preciso momento procede-se à sua pontuação. Este mecanismo de conclusão de obra pode ser atingido quer no primeiro, quer no segundo tipo de acção obrigatório. Ou seja, ao colocar trabalhadores posso conseguir fechar um edifício, ou inclusivé, pela colocação oportuna de um edifício, posso fechar outro. De alguma forma, existe aqui uma pequena componente tetris, pois é preciso saber usar os espaços disponíveis para maximizar a pontuação.  Uma vez cercado um edifício, contam-se os trabalhadores de côr (os beje contribuem para fechar a obra, mas não pontuam) que contribuíram para concluir a obra e por cada um, os jogadores recebem um selo da côr da respectiva família. O jogador que fechou essa obra ganha o selo extra que está em cima do próprio edifício. Para além disso o jogador que fecha uma obra pode ainda contribuir para a construção colocando no tabuleiro central uma peça à sua escolha. Como podem ver nesta imagem, as peças que vão aparecendo no castelo têm cores associadas às respectivas. À medida que a construção vai avançando este tabuleiro central funciona como uma espécie de bolsa de valores, porque quanto mais peças de uma determinada côr estiverem visíveis, mais os selos dessa côr valem. E isto é um mecanismo muito inteligente de fazer o jogo evoluir, tornando-o também mais picantezinho, Já que há medida que os jogadores vão construíndo no castelo vão tentando influenciar o valor das cores consoante os selos que têm na sua posse.

Cada jogador possui no início do jogo 4 bandeiras pendentes que pode usar ao longo do jogo, sempre no final do seu turno. Sempre que quiser, um jogador pode trocar uma dessas bandeiras para ir buscar 2 trabalhadores da sua côr e pode aproveitar para trocar os selos que tiver e que quiser por dinheiro. Será uma forma de aproveitar a cotação em alta de uma determinada côr antes que ela desvalorize. Este sistema é muito interessante e tráz ao jogo uma profundidade táctica maior.

Os trabalhores neutrais são conquistados sempre que um jogador cobre com um edifício uma tenda desenhada no tabuleiro.

Quando o primeiro nível do castelo estiver todo construído, passa-se para o 2º nível (fase 2) que continua a jogar-se da mesma maneira. No fim de construído o 2º nível do castelo, entramos na fase 3 que dura apenas um turno, acabando no jogador que fechou o 2º nível.

No fim fazem-se as contas aos selos que os jogadores ainda possuam e quem tiver mais dinheiro é o vencedor.

Factor Tempo/Diversão
DBvA é jogo para durar entre 60 a 90 o que o torna muito apetecível. Ainda mais porque o jogo apresenta um nível de interacção muito grande. As decisões são difíceis mas limitadas e por isso não apresenta muito downtime o que é óptimo. Não sendo um jogo verdadeiramente original, apresenta pequenas características que são inovadoras e a sua beleza é um ponto claramente a favor.
Juntando tudo isto, DBvA é um daqueles jogos que eu vou querer jogar muitas vezes. Porque não é demasiado complicado, não muito longo e é divertido de jogar.

Nota: 8

Comments